Hidden Figures ★★★½

Em "Estrelas além do tempo", o diretor Thedore Melfi utiliza as mesmas características já apresentadas em seu filme anterior, "Um santo vizinho": uma história inspiradora com elenco em grande momento. Ambientado em 1962, quando a segregação racial estava vigente nos Estados Unidos, o roteiro de Melfi com Allison Schroeder, adaptado de um romance de Margot Lee Shetterly, mostra um trio de mulheres à frente seu tempo. Katherine Goble (Taraji P. Henson) trabalha numa equipe de mulheres negras na Nasa, ao lado de Mary Jackson (Janelle Monáe), que pretende ser engenheira, e Dorothy Vaughan (Octavia Spencer), que supervisona essa equipe.

Para enfrentar o sucesso dos russos na ida para o espaço, Al Harrison (Kevin Costner, lembrando o Jim Garrison de "JFK"), diretor do Space Task Group, precisa providenciar a ida de um norte-americano às estrelas. Goble passa a fazer parte de sua equipe para obter cálculos exatos para a programação de viagens, mas precisa se remeter ao engenheiro principal Paul Stafford (Jim Parsons).

As suas amigas também tentam seguir seus caminhos, como Dorothy, que tenta uma promoção, mas é barrada sempre por Vivian Mitchell (Kirsten Dunst). Já Mary Jackson tenta entrar em aulas de engenharia, destinadas apenas aos homens brancos. Em meio à rotina, surge a figura do coronel Jim (Mahershala Ali).

Com uma ótima direção de arte e música de belas notas de Hans Zimmer, Pharrell Williams (um dos produtores) e Benjamin Wallfisch, "Estrelas além do tempo" traz à discussão tanto os sonhos quanto o racismo do período enfocado. Se ele não desenvolve totalmente alguns personagens - mesmo a relação do trio se dilui um pouco, quando não vemos uma compartilhar sua realização pessoal com a outra -, este filme desenha bem a tentativa de ser lembrado e pertencer à história. Com alguns momentos que lembram "Os eleitos", de Kaufman, por evocar a mesma situação, na figura de John Glen (Glen Powell, numa bela participação), Melfi não chega a armar conflitos intensos entre os personagens; tudo transcorre de maneira calma e bem feita.

No elenco, a atuação de Henson é bela nos momentos certos, e Viola é competente como é de forma habitual, mas é Monáe (de "Moonlight") que se destaca nas cenas em que interagem, assim como Dunst entrega uma personagem que poderia ser maquiavélica em uma interpretação discreta, tal como Parsons. Ali, por sua vez, é um destaque como em "Moonlight". Todos eles fazem de "Estrelas além do tempo" um filme interessante sobre como as estrelas do céu podem inspirar.