Sound of Metal ★★★★½

O drama de Sound of Metal, por si só, é bem interessante. No entanto, o ponto alto do longa é a maneira como Darius Marder consegue transformar a história de Reuben em uma experiência sensitiva.

Através da ausência de som, dos chiados abafados ou do contraste entre pontos de vista (às vezes rola uma alternância entre o "som real" e aquilo que o personagem está escutando), ele insere o público dentro da experiência do protagonista. Ele nos obriga, assim como a vida faz com ele, a conviver com o silêncio pra aprender a ser surdo.

Até as legendas são suprimidas pra garantir que o espectador esteja no mesmo pé de Ruben. Ou seja, não entendendo nada até que as libras entrem em sua vida.

Esse pacote de ausências nos aproxima do personagem, facilitando a compreensão de seus sentimentos ou até mais do que isso. Acredito que isso amplifica (uma palavra irônica pra uma obra sobre surdez) as dores, a solidão, o tédio e, finalmente, as alegrias.

Afinal de contas, a vida não é só feita de sofrimentos. Marder conduz essa jornada com muito equilíbrio e sensibilidade, mostrando que surdez não significa sofrimento e que é possível conviver com ela. Tudo muito bem coordenado, do início ao fim, com uma atuação poderosa de Riz Ahmed.

O resultado acaba sendo um dos melhores do ano. Admito que estou realmente maravilhado pela maneira como Sound of Metal conduz seu drama, brinca com as possibilidades sonoras e dialoga com o mundo onde parece quase impossível não fazer nada.

Flávio Augusto liked these reviews