Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All
  • In Vanda's Room

  • Two Lovers

  • Little Odessa

  • The Irishman

Recent reviews

More
  • In Vanda's Room

    In Vanda's Room

    HABITAR O TEMPO
    por Rafael Miranda

    “[...] Mas a verdade é que No Quarto de Vanda não tem nada a ver com literatura, metáforas, apoteose, ou qualquer uma dessas palavrinhas. Tem a ver com tijolo, concreto, ladrilho, laje de vigota, bloco de cerâmica e telha de amianto, com o som áspero que tudo isso faz quando é derrubado e, principalmente, como as pessoas, cujas casas feitas desses materiais são lentamente destruídas, reagem. Parece ser sobre o que já chamaram, pra…

  • Two Lovers

    Two Lovers

    PERFIL DE JAMES GRAY – PARTE I
    por J. E. Gama

    "[...] Dessa infinidade de contradições, de prisões confortáveis, de caminhos muito dúbios para fatalismos e de fatalismos muito certos para alguma liberdade, constitui-se Amantes. Mas mesmo com toda a melancolia, toda a riqueza imagética e complexidade textual, um elemento ainda falta para que tenhamos certeza de que estamos em frente a um filme de Gray: a violência. Onde jaz essa peça tão essencial para a tragédia, ressonante em cada…

Popular reviews

More
  • Cry Macho

    Cry Macho

    ELOGIO A CRY MACHO
    por Miguel Fernandes

    "[...] Pois se ele abandona a 'intelectualidade' e a 'facilidade' e, aos 91 anos, fazendo um filme como Cry Macho, alcança a sabedoria e o que é essencial, é porque todos esses anos de vida(s) ensinaram-no que não há porque temer a morte ou entregar-se ao luxo do excesso; que philosophía só se efetiva com a presença do amor, da amizade; e que só se sabe viver quando se aprende a morrer."

    Confira o texto completo em Imagem e Palavra #2: Nosso Cinema Contemporâneo.

  • Drive My Car

    Drive My Car

    A VIDA SUBMERSA NO TEXTO
    por Rafael Miranda

    “[...] O tão discutido aspecto do luto, apesar de ser uma exegese válida, é incompleto sem o ângulo mais interessante de Drive My Car, que é essa construção aquífera e aracnídea: uma ampla tessitura literária que sempre consegue ressignificar as relações dos seus personagens.”

    Confira o texto completo em Imagem e Palavra #2: Nosso Cinema Contemporâneo.