Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All
  • The Immortal One

    ★★★★

  • Young Mr. Lincoln

    ★★★★★

  • The First Night

    ★★★★★

  • Landscape Suicide

    ★★★★

Recent reviews

More
  • The Immortal One

    The Immortal One

    ★★★★

    Em 1962, Alain Robbe-Grillet filmou L’Immortelle em Istambul. Dois anos depois, Maurice Pialat fez na mesma cidade uma série de documentários, nos quais incorporou material não utilizado por Robbe-Grillet. É curioso pensar o quanto dois cineastas tão diferentes podem se aproximar em uma situação como essa, sobretudo quando não sabemos quais planos foram originais e quais foram apropriados.

    Nos dois casos, vemos os mesmos locais, às vezes cenas muito semelhantes, e em alguns momentos as mesmas ideias parecem ser descobertas.…

  • Young Mr. Lincoln

    Young Mr. Lincoln

    ★★★★★

    [January 26, 1946]

    My dear Ford!

    I’m very sorry we never met personally – except the one case of being reproduced in picture form on the same page in Gorelik’s New Theatres for Old!
    Hell knows what you think of my pictures, but I’m ranging among your most fervent admirers here.
    And that’s why I’m addressing you this letter.
    We’re publishing here a series of books under the title Materials on the History of World Cinema Art. I’m the editor…

Popular reviews

More
  • Holy Motors

    Holy Motors

    ★★★★½

    Notas para uma aula sobre Annette Michelson

    Antes de existir um cinema surrealista, existiu uma forma surrealista de ver filmes. Breton e Aragon tinham o costume de entrar nas salas de cinema sem saber qual era o filme programado, minutos após o início da projeção, e ir embora antes que esta chegasse ao fim. O objetivo era mergulhar na realidade fílmica como em um sonho, sem outro contexto ou propósito; experimentar o fascínio em seu caráter passageiro, sem a moldura…

  • Zorns Lemma

    Zorns Lemma

    ★★★★★

    To my mind the essence of cinema is the abstraction of the purely concrete, the integration of the elements of “everyday,” concrete reality into elaborate, artificial, and abstract patterns in such a way that these elements lose their “significance” without losing their identity.

    Noel Burch