The Shape of Water ★★

I have a strange relation with Guillermo del Toro. This is because I don’t like, at all, his style but Pan’s Labyrinth is one of my favorite movies. However, even if I don’t like what he usually does, I gave him credit for his work and for being able to have a signature style that anyway can recognize miles away.

That being said, it’s hard for me to understand how a movie like The Shape of Water is being so well received and perceived as one of the best movies of the director and writer.

This is not an original story, far from it, the directing is nothing memorable and the characteristic style of his movies, were reduced to a single character, which has little to nothing new. From everything that could define his career, a generic movie which any random director could have achieved with a story nothing more than cute, should not be the best compliment that could be made about his work.

It is not a bad movie, but it is not a good one either. On a more positive note, Sally Hawkins is absolutely incredible, she manages to give the movie a charm that would be absent otherwise. In fact, the first minutes of the movie are incredible, but as soon as the main plot starts, it’s hard to ignore the obvious: everything is too weak to be more than average.

=== PORTUGUESE =========

Eu tenho uma relação estranha com Guillermo del Toro. Isto porque eu não gosto nada do seu estilo, mas o Laberinto del Fauno é um dos meus filmes favoritos. Contudo, mesmo não gostando daquilo que habitualmente faz, dou o devido crédito ao seu trabalho por conseguir ter uma assinatura própria que se identifica a milhas.

Dito isto, custa-me perceber como é que um filme como The Shape of Water está a ser tão aplaudido como o melhor do realizador e argumentista.

Não é, de todo, uma história original, a realização não é nada de extraordinário e o aspecto que tanto caracteriza os seus filmes, foi reduzido a uma única personagem, que pouco ou nada tem de novo. De tudo o que pode definir a sua carreira, um filme genérico que qualquer realizador poderia ter feito e uma história que não é muito mais do que fofa, não deveria ser o maior elogio que se poderia fazer.

Não é um filme propriamente mau, mas também não é um filme propriamente bom. Numa nota mais positiva, Sally Hawkins é absolutamente incrível, ela consegue dar um encanto ao filme que de outra forma provavelmente não iria existir. Aliás, os momentos iniciais do filme são incríveis, mas a partir do momento em que a trama principal começa, torna-se difícil conseguir ignorar o óbvio. E o óbvio é que é tudo demasiado débil para conseguir ser mais que mediano.