Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All

Recent reviews

More
  • House of Strangers

    House of Strangers

    ★★★½

    Um ano antes de abordar o mundo do teatro com olhos cínicos em All About Eve, Mankiewicz trouxe à luz um mundo ainda mais cínico e amargurado, quase que por natureza: o de uma família cujo pai é um banqueiro prosperando às custas da pobreza nos anos após o Crash de 1929 e os filhos são todos seres com personalidades estilhaçadas, com interesses que, a olhos desavisados, podem soar tanto como fraquezas quanto como virtudes. A grande sacada do filme,…

  • Run for Cover

    Run for Cover

    ★★★★

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    A danação que existe quando se deposita toda a sua confiança numa outra pessoa: essa parece ser uma das obsessões na filmografia do Nicholas Ray até este momento. Neste sentido, o Matt Ray de James Cagney guarda semelhanças ao Andrew Morton de Humphrey Bogart de Knock on Any Door (e essas semelhanças não se resumem somente ao fato de John Derek ser o jovem em quem os veteranos confiam em ambos os filmes, mas nos leva a imaginar se Ray…

Popular reviews

More
  • In a Lonely Place

    In a Lonely Place

    ★★★★★

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    Duas cenas que comprovam a genialidade de Nicholas Ray:

    - na primeira vez em que Bogart entra no apartamento de Grahame, ela abre a porta e senta-se numa das poltronas; logo depois de fechar a porta, Bogart permanece colado a ela, ombros rígidos, sentindo-se acuado, enquanto que Grahame, aos poucos, tenta fazê-lo sentir-se mais confortável. Mais tarde, os dois se beijam pela primeira vez;
    - na última vez em que Bogart entra no apartamento de Grahame, logo depois de abrir…

  • Roma

    Roma

    ★★

    Vendo este filme, ficou bem mais claro pra mim um dos tipos de filme que eu não gosto: aqueles em que se auto-estabelece uma "distância", ou uma "frieza", entre ele próprio e o espectador durante boa parte da história para, em algum ponto próximo do final, explodir numa série de eventos trágicos sem o menor controle como uma tentativa de justificar tudo aquilo que se viu antes.

    Ou seja: filmes que tentam te pegar pelo fígado, em vez de te pegar pela emoção.

    Tô fora.