Captain Fantastic

Pequena Miss Sunshine versão ressentimento social de grife.

Outra síndrome de La La Land? Esse talvez até mais nocivo, já que adora transformar todo gênero de discurso progressista em uma grife esclarecida, em um joguinho de sacadas espertonas. Até a roupa que a família usa parece que saiu direto do figurino de um show do Coldplay. Ao mesmo tempo que é tudo tão milimetricamente calculado dentro de uma estética good vibes pseudo-instruído, é um filme que praticamente ignora qualquer relação de empatia ou de simples diálogo com o outro. Ou ele é vitimista ou é presunçoso, não existe nada além.