Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All
  • Blood Sings

  • Parasite

  • Yesterday There Were Strange Things in the Sky

  • The Blue Flower of Novalis

Recent reviews

More
  • Blood Sings

    Blood Sings

    "Jorge Polo: A gente sempre trabalhou muito com amigos e pessoas próximas. Esse filme tinha uma coisa de trabalhar com pessoas que pesquisavam atuação de algum jeito, junto com outras que não necessariamente faziam isso como profissão. Isso trouxe muitas outras camadas de experimentação. Seja uma galera como a Maricota, que está mais relacionada com a dança, Noá [Bonoba], que tem um percurso no teatro muito forte, a Helô [Heloise Sá], da música, aqueles cantos vêm da improvisação dela. Foi…

  • Parasite

    Parasite

    "Se, no mundo contemporâneo, o chamado à necessidade da empatia e da tolerância são propalados como habilidades necessárias à vida em sociedade, o que 'Parasita' nos coloca é o limite e a insuficiência da tolerância em uma vida verdadeiramente comum".

    Confira a crítica completa de Laís Ferreira sobre o longa-metragem de Bong Joon-ho no site da Revista Moventes: revistamoventes.com/2019/12/28/enquanto-a-riqueza-nao-vem-parasita-e-os-entraves-ao-ar-que-se-inspira/

Popular reviews

More
  • The Blue Flower of Novalis

    The Blue Flower of Novalis

    " [...] Gustavo, Rodrigo e Marcelo se propõem este questionamento frente à estigmatização heteronormativa do tabu do prazer anal (e todas as implicações decorrentes disso), e a forma propriamente cinematográfica que encontram para este embate é, já de cara, a hipervisibilidade do cu, este locus proibido do prazer."

    Leia a crítica de Jocimar Dias Jr. na íntegra, parte da cobertura da 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes da Revista Moventes:

    revistamoventes.com/2019/01/26/o-anus-nao-e-um-tumulo-ou-a-mistica-proctopornografica-em-a-rosa-azul-de-novalis/

  • Yesterday There Were Strange Things in the Sky

    Yesterday There Were Strange Things in the Sky

    "O filme parece nos instigar (espectadores e realizadores) a nos espantarmos com alguma beleza a ser redescoberta no cotidiano. A atentarmos àqueles detalhes posicionados num cômodo para enfeitá-lo e que, com o tempo, foram invisibilizados pela repetição da vida e por tudo aquilo que parece mais importante e urgente. Nesse sentido, a diluição narrativa, a iminência de abdução alienígena e o tensionamento provocado pelo jogo ao redor da câmera contribuem para catalisar o surgimento de momentos de intensidade dentro do…