The Brown Bunny ★★★★½

Gallo faz quase o impossível aqui e consegue chegar em um nível dramático da história sem absolutamente nenhum recurso.
É puro cinema que há nesse filme, tudo que o filme exibe eu amei, as atuações são de outro nível.
O filme é uma mistura louca de ideia e projeto de The Room + semelhanças visuais e cenário de Gummo + um trabalho de câmera um pouco parecido de Haneke. É uma responsabilidade gigantesca por parte do Gallo para conseguir dirigir (inclusive uma direção bastante subjetiva mas na qual não nos tira do foco do filme), atuar (de forma brilhante), escrever (creio que foi a etapa mais fácil para a criação do filme, porém ainda sim bem feito, créditos ao 3° ato) produzir e ainda ser o diretor de fotografia. Todas as cenas desse filme são maravilhosas, principalmente as que a câmera é posicionada na van. Os cenários capturados são maravilhosamente lindos mas também desertores e solidários, o vidro da van na qual é meio suja sugere que há essa beleza no mundo mas não conseguimos alcançar. E é claro, há a cena polêmica do sexo oral.
Eu ainda não fui atrás dos relatos da Chloe sobre isso, não sei se ela se incomodou muito com a cena (imagino que sim), porém em cena, pelo projeto do filme e sua alma, foi uma cena majestral em todos os sentidos. É uma cena que incomoda, nos conta mais sobre os personagens (coisa que o filme é bem sutil), e ainda dá mais ênfase na ideia da solidão que o filme proporciona.
Essa busca pelo amor perdido de Gallo é executado de forma perfeita, com o mínimo de recursos, faz mais do que 99% dos "romances" atuais/modernos.
The Brown Bunny é um filme que representa a solidão, o amor e a sua procura, experimentalista e moderno.
Imperdível.