Bag of Bones ★★★½

“Bag Of Bones” preencheu as restantes duas sessões da noite, contanto com a presença do realizador Mick Garris que ficou até fim, querendo sentir a reacção do público a mais esta adaptação televisiva de um romance de Stephen King. A lembrar as adaptações dos anos 80 de “It” e “The Tommyknockers“, Garris consegue aqui uma muito boa adaptação de uma estória que infelizmente repete os elementos centrais da obra de King.

Pierce Brosnan (excelente, como sempre) é aqui um escritor que deixa de conseguir escrever após a morte da mulher e refugia-se na casa de campo, onde vai entrar em contacto com alguns fantasmas e uma tragédia que atravessa gerações.

Apesar dos clichés, “Bag Of Bones” consegue plenamente os seus propósitos: entreter e assustar uma audiência especifica que não se importa de voltar a este universo quando a qualidade assim o justifica. Mesmo para quem já tinha visto (como era o meu caso), ver este formato especifico em grande ecrã e sem interrupções foi uma aposta ganha do realizador e da organização do festival.

Classificação: 3.5/5