The Illusionist ★★★

Mágica sempre foi algo que me fascinou, procuro não entender os truques por detrás delas para ainda manter esse sentimento de surpresa e empolgação quando as vejo. Logo filmes que possuem essa temática automaticamente já chamam muito minha atenção e possuem uma tendência maior de me agradar dependendo de sua abordagem para este assunto. Mas claro que esses precisam ter suas próprias maneiras únicas de nos surpreender dentro do esperado para um obra dessa, e fico grato por ser indagado sobre algo que nunca havia refletido, qual o maior efeito que uma simples apresentação de entretenimento pode exercer sobre uma plateia e sobre seus conceitos?

O elenco do longa possui bons atores, como Edward Norton e Jessica Biel, mas não chega a ser um ponto de destaque, todos estão operantes em seus papéis e dedicados aos seus personagens. Porém este é um filme de roteiro, e aqui entra muito da subjetividade, pois todos somos afetados diferentemente pela história, com alguns que podem ter adorado ou até mesmo odiado. Confesso que mesmo com a reviravolta do final do filme, não consegui me sentir satisfeito com esta conclusão, acho que a obra se beneficiaria muito mais do final para o qual a mesma estava se dirigindo, mas como um todo o longa é bem fechado.

Em relação ao truques de mágica presentes no filme me encontro dividido, pois assistindo o longa eu não tinha dúvidas de que tudo era feito em CGI e isso me afastou muito da história, tirando a graça da mesma, mas após o término do filme descobri que muitas das ilusões eram reais e que Norton teve aulas intensivas de mágica para conseguir realizar os truques, então tiro o chapéu para os realizadores. Mas mesmo assim as apresentações não se mostravam empolgantes ou excitantes, diferentemente de seu filme concorrente The Prestige, que apresenta truques memoráveis e desafiadores.

O filme é muito bem fotografado, com movimentos de câmera inventivos e até mesmo complicados, com variações de ângulos diferentes e bem originais. Certas cenas são até mesmo iluminadas a luz de velas, dando um charme maior a obra muitas vezes, mas que acaba atrapalhando um pouco a experiência pois fica difícil de se enxergar o que está acontecendo na tela devido a escuridão de certos ambientes. Até mesmo o CGI excessivo atrapalharam na imersão completa do público no filme, e tirando a fidedignidade quando usada em alguns dos truques de mágica, sendo bem perceptível em vários momentos.

The Illusionist peca muito no quesito entretenimento com suas apresentações, algo que deveria ser essencial para obras do gênero, mas mesmo assim possui uma boa história de amor por trás, algo que era o foco deste o começo do longa. Com uma reconstrução de época excelente e com bons atores, pode ser um passatempo para muitas pessoas, mas não chegou a me agradas. Fica a seu cargo a decisão de assisti-lo ou não.