• In Front of Your Face

    In Front of Your Face

    ★★★

    A risada no final é um ótimo exemplo do quão patéticos e cheios de detalhes os personagens do Sang-soo conseguem ser, mas debaixo da perspectiva dele as vezes essas relações podem ser devastadoras. No caso desse filme não fica nem lá nem cá. É uma belíssima reflexão, tanto dramaticamente quanto no que diz respeito à produção do filme, sobre o estágio do mundo durante a pandemia. Bem relaxado, observador e carinhoso.

  • Spirited Away

    Spirited Away

    ★★★★

    - Você não se lembra do seu nome?
    - Não, mas por algum motivo me lembro do seu.

    A essa altura da carreira a facilidade de criar mundos e preenchê-los de magia do Miyazaki já tava tão inacreditável que tudo parece orgânico e sem esforço. A história até consegue ser meio livre, nem tudo se amarra ou tem um tempo muito correto, dramaticamente aqui e ali parece inconcluso, principalmente na forma como as mecânicas do mundo se apresentam em paralelo…

  • Jungle Cruise

    Jungle Cruise

    ★★½

    Collet-Serra é um excelente cineasta de filmes pequenos e bem localizados, o que é o extremo oposto do produto Disney aqui. Seus filmes são menos sobre trama do que sobre as mecânicas e os detalhes que compõem uma narrativa de ação. Por conta disso ele consegue inserir detalhes que tornam o filme mais charmoso do que seus concorrentes de mercado, como a sequência banal, mas lindíssima, envolvendo uma câmera antiga portátil. Portanto, isso aqui funciona em medidas e toques muito…

  • Scream

    Scream

    É como se alguém que odeia comédia tentasse aparecer nos holofotes e fazer stand-up. A franquia sempre teve a sua carga de piada interna, mas era acima de tudo apaixonada pelo gênero e pelas possibilidades linguísticas que ele proporciona. Tanto que daí nascia a repetição, a mesma situação banalmente acontecendo de novo e de novo para que Craven pudesse pirar em cenários e dinâmicas diferentes para elas. Era tudo muito cruel e desumano, é verdade, mas potencializava o interesse na…

  • A Nightmare on Elm Street

    A Nightmare on Elm Street

    ★★★½

    O forte do filme provavelmente é o senso de criação de mundo do Wes Craven e o quão bom cineasta de cenários ele é, mas além disso, enquanto um filme protagonizado por adolescentes também é muito forte e um tanto progressista. Os pais suburbanos bancaram os vigilantes no passado e agora covardemente fazem de tudo para colocar debaixo do tapete a cadeia de violência que desencadearam, enquanto os adolescentes não tem medo de confrontá-la.

    Esse senso de rebeldia e afirmação…

  • Mysterious Object at Noon

    Mysterious Object at Noon

    ★★★

    Em algum lugar entre Andy Warhol, Tsai Ming-Liang e Eduardo Coutinho, mas em nenhum deles ao mesmo tempo. Ainda era apenas um rascunho de uma linguagem cinematográfica completamente única e progressista que Apichatpong desenvolveria para si, mas é um belo de um rascunho.

  • Cabeça de Nêgo

    Cabeça de Nêgo

    ★★★½

    A crueza e objetividade de Cardoso reforça os aspectos mais arrasadores da narrativa. É um filme sobre o quanto a nossa democracia não é apenas frágil, mas falha e equivocada. Tão disfuncional ao ponto de que quando surgem os burocratas você já sabe que eles são os vilões, como se fosse um filme de gênero mais direto. Muitíssimo inteligente na forma como usa a estrutura de um filme adolescente para construir um crescente de terror e tensão política, não à…

  • Magnolia

    Magnolia

    ★★

    Ainda que seja claro o quanto Anderson era aqui um melhor roteirista e diretor do que nos dois filmes anteriores, ele continua muito mais pobre dramaticamente do que a grandiloquência o faz parecer ser. Amarra essas narrativas sem nada que as conecte de fato para além de histórias isoladas desenvolvidas pela metade, cujo grande evento metafísico no final deveria fazer transcender, mas só joga uma cortina de fumaça na irresolução toda. O máximo que as quase 3h chegam de desenvolver…

  • The Strange Case of Angelica

    The Strange Case of Angelica

    ★★★★½

    Os meios de se amar através do cinema. O amor por coisas passadas e mortas, figurativa e literalmente. Por aquele instante que o clique da câmera de alguma forma aprisionou e que já não existe mais, e nunca mais voltará. Tão transcendental quanto analógico. O personagem-autor percebe que enquanto amante das imagens a sua sina, historicamente e narrativamente no cinema, é perseguir em delírio uma mulher ausente. Tem algo de muito especial na forma como na fotografia o personagem principal…

  • Batman Forever

    Batman Forever

    ★★½

    A estilização e tom do Schumacher realmente melhoram o que de outra forma seria uma péssima revisita ao Batman da série de televisão. Narrativamente raso e bagunçado, pouco leva adiante o mundo de Burton, mas também não cria nada novo. É genericamente episódico enquanto dramaticamente inexistente, se enrosca demais na própria narrativa para ser apenas uma aventura semanal. O diretor entra mais como um filtro colorido e carnavalesco em cima de tudo do que exatamente articula uma ideia dramática a…

  • West Side Story

    West Side Story

    ★★★½

    É realmente tudo o que disseram sobre perfeição técnica. Spielberg é um cineasta moderno e popular, mas que parece sempre visar um ideal clássico nas composições. Os meios técnicos vão se atualizando, mas ele é tão romântico no resultado quanto um musical dos anos 60 consegue ser.

    Casamento de perfeito academicismo com gosto por um cinema rápido e inventivo que pode passar despercebido o quão bem pensado e ensaiada a coisa toda é. Hora ou outra se torna mais um…

  • Violent City

    Violent City

    ★★★★

    Um filme de ação por excelência. Tudo que gira ao redor das sequências-chave (a inicial, a da pista de corrida e a do elevador) é meio nebuloso, o diretor não está realmente interessado nas arestas narrativas que justifiquem as cenas de ação, e acaba por consequência ganhando um certo charme a partir desse mistério. É um filme realmente gigantesco nesses momentos que está completamente focado em tudo na dinâmica da ação, do posicionamento à decupagem e ao corte. Nisso ele é perfeito, no máximo possível da palavra.